Postado emNotícias / Baixo São Francisco

Baixo São Francisco no seco: ecossistemas, acesso à água e navegação prejudicados com vazão reduzida

por Carlos Eduardo Ribeiro Jr

Com o início da chamada [pelo setor elétrico] “flexibilização” das restrições de operações da UHE Xingó, que opera desde sábado com descargas médias de 800 m³/s, o Baixo São Francisco é novamente submetido aos quadros de 2016 e 2019, com a agravante do acúmulo de impactos desde a aplicação das reduções de vazão abaixo de 1.300 m³/s, no início de 2013.

O Baixo São Francisco amanheceu no seco, literalmente: bombas e embarcações em terra, em meio à massa de algas e vegetação aquática invasoras, comprovavam os prognósticos do que seria a adoção de vazões inferiores aos já ínfimos 1.100 m³/s (hum mil e cem metros cúbicos por segundo) até então praticados pela CHESF – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco na operação da UHE Xingó.

Num rápido monitoramento a partir da Reserva Mato da Onça, o INFOSÃOFRANCISCO percorreu trechos ao longo das margens em Sergipe e Alagoas, em torno de 20 km, verificando a situação.

Com bombas aterradas, em sistemas de captação de água em seus limites físicos extremos das redes hidráulica e elétrica que não podem ser mais prolongadas de rio adentro (para captar e lançar água mais longe são necessários mais canos, cabos elétricos de maior diâmetro, e bombas mais possantes: custos mais elevados de investimento e operação incompatíveis com a realidade das populações ribeirinhas) a situação de penúria sanitária e alimentar é agravada.

As marcas dos diversos níveis do espelho d'água nas rochas atestam a redução drástica da vazão. Foto: Carlos E. Ribeiro Jr./INFOSÃOFRANCISCO.

Tem-se instalado, no Baixo São Francisco, um quadro crônico de não acesso à água por população numerosa, à qual se impõe situação de vulnerabilidade de saúde coletiva (problemas de captação de água para consumo humano, higiene) e segurança alimentar (água para cozinhar, cultivos de subsistência e sobrevivência).

Veja na galeria abaixo a situação registrada no final de semana e na manhã de hoje (21).

Este novo (e cumulativo) impacto aos ecossistemas contribuirá para o já acelerado definhamento da biodiversidade, algo já amplamente comprovado e confirmado - mais uma vez - pelo recente relatório do quadro socioambiental do Baixo São Francisco produzido pela UFAL - Universidade Federal de Alagoas.

Com as largas faixas de algas e vegetação aquática acumulada e crescente ao longo da borda do espelho d’água verifica-se, ainda, a imposição de limitações de mobilidade: com estradas rurais em péssimo estado sendo a tônica na grande parte dos municípios no Baixo São Francisco, o caminho fluvial, para muitos, é a alternativa.

Porém, com o assoreamento e o bloqueio das beiras de rio pelas massas de algas e vegetação, a navegação é gravemente prejudicada ou mesmo inviabilizada em toda a região a jusante da UHE Xingó.

Imagem em destaque: As marcas da água tomada. Foto: Carlos E. Ribeiro Jr./INFOSÃOFRANCISCO.


Veja ainda

Nova resolução da ANA: acesso à água no Baixo São Francisco ainda mais difícil

Redução de vazão do São Francisco em nova Licença de Operação da UHE Xingó ausente da mídia

Velho Chico sem proteção: IBAMA “atualiza” Licença de Operação da UHE Xingó e reduz vazão para 700 m³/s

Setor elétrico apresenta seu modelo de rio São Francisco para maio e além

No limite, São Francisco sofre com pressão do setor elétrico

Uma derradeira oportunidade para o Velho Chico [e demais rios brasileiros]


Fontes

ANA – Agência Nacional de Águas

CHESF - Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

SNIRH - Sistema Nacional de Informações Sobre os Recursos Hídricos


About the writer

Carlos Eduardo Ribeiro Junior

Co-criador do InfoSãoFrancisco e coordenador do projeto.