Rio São Francisco versão 2021: um desastre

11 de janeiro de 2021

BAIXO SÃO FRANCISCO
OPERAÇÕES DE BARRAMENTOS | VAZÕES UHE XINGÓ
por Carlos E. Ribeiro Jr.

Em dez dias com o Velho Chico “funcionando” segundo o padrão idealizado para o setor elétrico temos um saldo desastroso, que contribui para o aumento da vulnerabilidade do rio, de seus ecossistemas e das populações ribeirinhas, todos expostos a uma gestão temerária que não indica compromisso com um futuro adequado para as próximas gerações.

Populações difusas com acesso à água restrito, problemas de abastecimento em sistemas maiores, bombas de captação no seco, mortandade de algas verdes e vegetação aquática exótica invasora, dificuldades de navegação, comprometimento de reprodução da fauna aquática são as evidências iniciais ainda mais danosa operação dos barramentos com o padrão da Resolução ANA 2081/2017 e a confirmação do que já é público e notório há dezenas de anos: o setor elétrico opera seus barramentos com regras, restrições e condicionantes ambientais produzidas pelos órgãos licenciadores que, efetivamente, não consideram rios saudáveis e o patrimônio natural como algo essencial. 

Reprodução ANA/SNIRH

Desde o dia 1º. de janeiro que a CHESF – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco está operando os barramentos entre a UHE Sobradinho e a UHE Xingó segundo as regras definidas pela Resolução ANA no. 2081/2017. No Velho Chico modelo 2021 a vazão média de 1.050 m³/s (hum mil e vinte e cinquenta metros cúbicos por segundo), cerca de 51% (cinquenta e um por cento) da vazão de 2.060 m³/s estabelecida a partir da regularização (construção da UHE Sobradinho) e ignorando o valor mínimo de 1.300 m³/s designados pelo PRHSF – Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco.

No domingo, a vazão foi baixada para 700 m³/s, chegando ao patamar de 689,88 m³/s, inferior a janeiro de 2017 quando a vazão foi reduzida ( com a emissão, pelo IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, da Autorização Especial 08/2016 – Segunda Retificação) para a descarga mínima de 700 m3/s.


A situação atual é mais grave pois, neste momento, em contraposição a 2017, temos o acúmulo do imenso passivo socioambiental produzido pelas reduções a partir de 2013. Este, por sua vez, se soma aos impactos da UHE Sobradinho, desde 1979/80; os mais de vinte anos das operações da UHE Xingó; a crítica redução de vazões em 2007/8 e uma gestão de águas e territórios onde o panorama atual fala por si.

O espaço neste sítio está disponível para esclarecimentos por parte de órgãos e entidades citados.

Fontes

CHESF – Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

ANA – Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico

Imagem em destaque – Sobre o leito do rio exposto, a massa orgânica se decompõe. Foto: Carlos E. Ribeiro Jr. –  Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco


×

Encontre a localização

Encontrar

Resultados:

Latitude:
Longitude:

Zoom:

Finalizar geocodificação

×

Envie um artigo

Você tem notícias para compartilhar da bacia do Rio são Francisco? Contribua para este mapa enviando sua história. Ajude a ampliar a compreensão do impacto global dessa importante região no mundo.

Encontre localização no mapa

Encontre localização no mapa