Postado emNotícias / Baixo São Francisco

MonitOleamento: atualização 03 do quadro dos impactos do óleo no litoral nordestino

Nova atualização do MonitOleamento contabiliza cerca de 11 mil visitações e interações na plataforma colaborativa.

Limpeza de costões realizada por voluntários equipados com EPIs – Equipamentos de Proteção Individual. Foto | SECOM – PM Salvador

Iniciado no último dia 12 de outubro, o MonitOleamento vem cruzando dados de cidadãos, cientistas, jornalistas e de órgãos ambientais do governo para apresentar o mais atualizado status das praias.

Em praticamente toda a costa do Nordeste é possível notar uma expressão de mobilização das populações locais para cumprir com a demanda de limpeza das praias, sobretudo nas capitais.

Em cidades como Salvador e Camaçari, na Bahia, diversas ações de intervenção inteligentes conduzidas pelas empresas de limpeza locais pela redução dos riscos ambientais.

Técnicas como a limpeza com jato pressurizado das manchas das pedras (preto no mapa) e peneiras para separar os pequenos sedimentos oleosos (cinza no mapa) são exemplos.

Processos pouco invasivos de limpeza utilizados pela LIMIPURB, em Salvador, BA. Foto | SECOM – PM Salvador

Para ler o mapa é simples: cada cor de um ponto no mapa informa de um jeito simples a situação dos locais atingidos a cada 72 horas.

Acreditamos que podemos fazer muito mais informações sobre locais de emergências  serem detectadas.

Convidamos a todas e todos para se candidatarem como colaboradores(as) que atuem como Moderadores(as) de modo online.

Atualizações do MonitOleamento

Anunciado pela plataforma InfoSãoFrancisco, o MonitOleamento é um projeto simplificador e colaborativo que completou 10 dias contabilizando 11 mil visualizações e interações do público até 22 de outubro.

Acesse as atualizações do sistema MonitOleamento diretamente aqui.

Como colaborar

Entenda como participar como voluntário. A expectativa com a disponibilização do MonitOleamento é de seja possível a coleta de informações que surgem a cada hora e, cruzando com dados oficiais, repassar esse conjunto de pontos em 72 horas ao IBAMA no formato digital KML até o início de 2020.

Os pontos onde possivelmente este crime ambiental ou suposto acidente naval  ocorreu podem ser presumidos com base em estimativas científicas de diversas  fontes.

Os fatos seguem agora sendo apurados pelas investigações da Marinha do Brasil e da Polícia Federal sobre este derramamento de petróleo cru que já afeta cerca de 40% da costa nacional.

Para participar do mapeamento basta preencher o formulário clicando aqui.


◊ Imagem em destaque – Mapa do MonitOleamento – via Antonio Laranjeira

About the writer

Antonio Heleno Caldas Laranjeira

Jornalista pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Mestre em Comunicação e Sociedade pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), Doutorando em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Professor de Geocomunicações pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IPBAD).