Sobradinho com mais água: o Baixo sem água e (muito) mais algas

21 de fevereiro de 2020

REDAÇÃO | INFOSÃOFRANCISCO

 


Mesmo com Sobradinho tendo aumento consistente em seu volume armazenado, setor elétrico mantém Baixo São Francisco submetido ao regime de pouca água, levando a degradação do rio ao extremo e comprometendo o acesso da mesma às populações ribeirinhas difusas

 

Com a manutenção do modelo operacional dos barramentos a jusante de Sobradinho, a situação da expansão de bancos de vegetação invasora e algas verdes – que criam um quadro de não acesso à água de qualidade adequada – permanece no Baixo São Francisco e toma proporções do caminho rumo ao fim do rio.

Durante a semana, contrariamente ao modelo de operações apresentado pelo ONS – Operador Nacional do Sistema no início do mês (veja a matéria Setor elétrico: vazões baixas serão mantidas) as defluências diárias estiveram na cota média de 1.000 m³/3 (hum mil metros cúbicos por segundo), sempre abaixo dos 1.300 m³/s determinados como valor mínimo pelo Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco.

No entanto, nos últimos dias vem sendo observada (fonte ANA – Agência Nacional de Águas) maior afluência no reservatório de Sobradinho que, de forma consistente, vem tendo aumentado o seu volume de água no lago (em 20/02/2020 atingiu o volume de 42,23% – ver gráfico abaixo).

Gráfico comparativo dos volumes em 20 de fevereiro de 2011 ao presente. Fonte | ANA

No dia 18, com a situação hidrológica muito favorável no Alto São Francisco, a vazão afluente chegou a 4.200 m³/s (veja gráficos abaixo). Ainda assim, foram mantidas as defluências (até o Baixo São Francisco) abaixo dos 1080 m³/s previstos no início do mês (que não são, em absoluto, valores suportáveis pelo rio, pelas populações ribeirinhas).

AS VARIAÇÕES DE AFLUÊNCIAS/DEFLUÊNCIAS AO LONGO DA SEMANA

Afluências/defluências em 17 de fevereiro, segunda-feira. Fonte | ANA

 

Afluências/defluências em 18 de fevereiro, terça-feira. Fonte | ANA

 

Afluências/defluências em 19 de fevereiro, quarta-feira. Fonte | ANA

 

Afluências/defluências em 20 de fevereiro, quinta-feira. Fonte | ANA

 

Afluências/defluências em 21 de fevereiro, sexta-feira. Fonte | ANA

Observar as afluências em Sobradinho ao longo da semana, crescentes até o dia 18, e a manutenção de vazões defluentes muito inferiores até o Baixo São Francisco.

Nota: as imagens são recortes do quadro geral da bacia, para facilitar a visualização da região entre Sobradinho e o Baixo São Francisco.

Como já foi alertado inúmeras vezes, ao longo dos anos, são observadas variações nas cotas do espelho d’água a jusante de Xingó que deixam dúvidas na relação das mesmas com os valores das defluências divulgados.

O dia a dia com variações horárias de vazões mínimas 

A situação nas margens segue crítica, com o acúmulo de algas e vegetação aquática em decomposição, que se sobrepõem à vegetação invasora terrestre de transição, que avança sobre o leito secado do rio, já que é “irrigada” com as “marés” da UHE Xingó e fertilizada pela biomassa depositada.

Na “maré cheia” provocada pela operação da UHE Xingó, a massa de vegetação e algas, mortas e/ou em decomposição é acumulada na borda do espelho d’água. Foto | Carlos E. Ribeiro | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco

 

Na “baixa mar” o material permanece, se acumulando com a biomassa da operação anterior. Foto | Carlos E. Ribeiro | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco

 

E, dentro da “normalidade confortável” estabelecida pelos entes da gestão das águas do São Francisco, a população é submetida a condições precárias de acesso a água. Foto: Carlos E. Ribeiro Jr. | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco

 

O que foi, há alguns anos, uma margem que permitia um convívio razoável, com as operações “moduladas” dos barramentos, se transformou em brejo insalubre, que obriga a consumo considerável de tempo para tentativas de remoção da vegetação invasora. Foto: Daia Fausto | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco

 

Determinado pelos “donos da água”: para as populações ao longo das margens, “a situação de conforto” na lama de algas e vegetação em decomposição. Foto: Carlos E. Ribeiro Jr. | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco

Veja ainda

ACP das Algas – determinada realização de perícia no Baixo São Francisco

Setor elétrico: vazões baixas serão mantidas

Repetindo 2: 550 m³/s! Vazão mínima autorizada [ainda] em vigor no Baixo São Francisco

 

Fontes

ANA – Agência Nacional de Águas

 

 


◊ Imagem em destaque – Acúmulo de biomassa em decomposição na Reserva Mato da Onça.  Foto: Carlos E. Ribeiro Jr. | Canoa de Tolda/InfoSãoFrancisco


 

 


×

Encontre a localização

Encontrar

Resultados:

Latitude:
Longitude:

Zoom:

Finalizar geocodificação

×

Envie um artigo

Você tem notícias para compartilhar da bacia do Rio são Francisco? Contribua para este mapa enviando sua história. Ajude a ampliar a compreensão do impacto global dessa importante região no mundo.

Encontre localização no mapa

Encontre localização no mapa